Estou profundamente convicto que a falta de literacia financeira é uma das maiores condicionantes sociais crónicas que caracteriza Portugal. Se na IIº república com o Estado Novo havia uma espécie de corporativismo que relacionava o interesse da nação com a dedicação das figuras individuais e coletivas, então na IIIº República assiste-se quase exclusivamente a uma metafórica mão estendida mendicante e a um consequente parasitismo subsidiário.

Portugal é hoje um país que se revela um autêntico inferno fiscal para geradores de pequena e média riqueza, porém tem uma estrutura montada que antagoniza esta contundência com uma disposição permissiva e passível à inextrincável corrupção deste sistema ausente de mundividências. É certo que o problema maior da elite portuguesa é uma questão de orientação, tanto no sentido literal, pois uma ponderação referente a longevidade estratégica se revela inexistente, como no sentido metafórico, pois de facto, é igualmente inegável que os carreiristas políticos enveredam na respetiva indústria política para se orientarem profissionalmente, financeiramente, para engrandecer a reputação etc. Ou seja, para serem homens sérios e nomes conhecidos, alcunhas para estradas, pontes e estátuas. Reparamos nisto sem grande intencionalidade, pois são já enjoativas as solidariedades maçónicas, os boys inexperientes, mas eloquentes em verborreia e as posterioridades fartas e abundantes que caracterizam o reformado socialista ou o retirado social democrata.

Enfim, só quem tem tacho é que ainda tenta refutar a evidente mediocridade que se instalou comodamente neste país, pois esta gente trata a sociedade como o recreio da secundária. Todavia, se já começa a ser aborrecido apontar o óbvio, também se revela premente dar atenção aos outros 3 dedos virados para nós e é inelutável que na maioria dos casos se enxerga no reflexo um analfabeto financeiro, que além de ignorar a ideia de dinheiro como abstração, ignora também a conjuntura perniciosa que se está a consumar.

Por isso é que gostava de disponibilizar este raciocínio alegórico primeiramente apresentado na página “Niels Newsletter” (o link irá estar no final do texto e a MA recomenda vivamente acompanhar a respetiva newsletter).

O dinheiro flui como a água

Imagine todo o sistema económico como uma montanha. Nesta montanha há muitas árvores e plantas. No topo da montanha encontra-se um banco central. Este banco central tem uma bomba de água que pode ativar para extrair água do interior da montanha e adicioná-la ao eco-clima. Logo a seguir, no topo, existem grandes árvores. Estas árvores são os bancos e outras instituições financeiras. Logo abaixo estão as árvores das grandes corporações. Depois árvores de corporações mais pequenas. E, finalmente, árvores alusivas às pequenas empresas e árvores individuais.

Agora este eco-clima é normalmente, bastante estável se não houver grandes intromissões. Chove regularmente e quando chove, todos recebem a sua quota-parte de água. O topo da montanha recebe um pouco mais de água, mas essa água tende a escorrer para o resto do ecossistema.

O banco central no topo não se contenta com o facto de o ecossistema estar apenas equilibrado, pois pretende um crescimento de 2% ao ano. Assim, liga a sua bomba de água apenas o suficiente para que o abastecimento total de água no ecossistema cresça 2% ao ano.

Naturalmente, o banco central não pode fazer chover esta nova água. Por isso, em vez disso, apenas a deixa escorrer pela montanha abaixo. As grandes árvores do banco e as árvores das megacorporações são as primeiras a obter a água extra. Absorvem uma parte significativa dela e depois o resto da água escorre pelas árvores corporativas de tamanho médio e depois, finalmente, um pouco de água chega às árvores das pequenas empresas e às árvores individuais.

2008 acontece e uma seca maciça ocorre. Deixa de chover completamente durante meses. Contudo, o banco central é inflexível na manutenção do crescimento, por isso, faz aumentar drasticamente as bombas para manter todas as árvores regadas.

No entanto, o que acontece a seguir não é o que estava previsto. O grande banco e as árvores corporativas absorvem o máximo de água que podem. Muito pouca água consegue passar por elas e as árvores no fundo da montanha quase não recebem água extra.

A seca acaba e a chuva volta a entrar. Salvando assim as árvores mais pequenas no fundo, no entanto as árvores grandes no topo da montanha nunca deixaram escorrer toda a água extra. Preferindo, em vez disso, colocá-la toda em ações e em obrigações (de água).

Para piorar a situação. As árvores dos grandes bancos estão agora tão cheias de água, que se tornam demasiado grandes para falhar (too big to fail). Se alguma destas árvores fosse derrubada, derrubaria muitas árvores com ela no seu caminho para o fundo da montanha. Criando uma grande carnificina. Assim, o banco central decide apoiar estas árvores e certificar-se de que não irão cair.

Bem no fundo, as árvores mais pequenas continuam a receber a mesma quantidade de água que recebiam antes de o banco central abrir as comportas, pelo que parece que ainda estão tão bem como antes da seca. No entanto, em termos percentuais, passaram de possuir metade de toda a água, a possuir menos de 20% de toda a água.

Tem havido uma grande inflação de água. O banco central diz que isto é um disparate. Os seus números mostram que ainda há apenas um aumento anual de 2% do total da água.

2020 acontece. Ocorre uma enorme seca chamada “corona”. O banco central teme um colapso total, pelo que aumenta as bombas para 100. Num ano, adiciona 34% de água extra a todo o ecossistema. Mais uma vez, os grandes bancos e as corporações arrastam tudo para cima e, no fundo, as árvores recebem apenas uns míseros 1400 cl de água. Ainda assim, o banco central continua a dizer a todos que a inflação da água é inferior a 2%, mostrando gráficos de preços da água que apoiam as suas reivindicações. Entretanto, as árvores no fundo estão a morrer à esquerda e à direita devido à seca, apesar de haver mais água no ecossistema do que nunca!

Então, o que aconteceu aqui?

Bem, o banco central imprime dinheiro extra (água). Depois entrega esse dinheiro extra ao banco por um pequeno juro (estamos a falar de cerca de 0% agora). Esperando que os bancos emprestem esse dinheiro e assim o façam bombear para a economia. No entanto, os bancos monopolizam o dinheiro porque têm medo de cair (o que quase aconteceu em 2008 devido a problemas de liquidez). Portanto, nada deste dinheiro extra atinge realmente a economia.

As pequenas empresas não conseguem obter qualquer empréstimo. As pessoas que põem o seu dinheiro no banco não recebem juros (porque o banco já não se importa com os seus 1400 euros quando acaba de receber um empréstimo gratuito de triliões de dólares do banco central).

Entretanto, o banco central continua a dizer a todos que a inflação ainda é inferior a 2% porque a natureza cuidadosamente selecionada de produtos que utilizam para medir a inflação mostra que isto é verdade. Quando na realidade, a inflação tem sido consistentemente superior a 5% e está prestes a subir ainda mais, graças ao aumento de 34% em dinheiro/água este ano.

Então para onde vai este dinheiro e como é que ele está a fazer subir os preços quando não está a descer até aos consumidores?

Bem, de certa forma, está a cair. Uma dessas é a hipoteca mais barata. Apenas há 20 anos atrás, as hipotecas teriam em qualquer lugar entre 5 a 10% de taxas de juro. O que significa que se pedisse emprestado 100.000 euros, estaria a pagar entre 5 a 10 mil anualmente só em juros (os números exatos são um pouco diferentes, mas vamos manter isto simples).

Isto tornou o empréstimo muito caro e, portanto, as hipotecas não podiam ser muito elevadas. Mas agora os juros desceram para menos de 1% anualmente em muitos casos. O que significa que se pede emprestado 100.000 para a sua hipoteca, paga-se apenas 1000 em juros por ano. Então, o que acontece naturalmente? Os preços das casas explodem. Não posso dar-lhe estatísticas exatas para todo o lado, mas vamos usar os Países Baixos como exemplo.

Nos Países Baixos, os salários reais não duplicaram sequer nos últimos 30 anos. Entretanto, os preços das casas aumentaram quase 5 vezes. Uma casa média custou-lhe menos de 80 mil há 30 anos. Agora é de quase 350 mil. Os salários médios passaram apenas de 19 para 36k (e isso é antes de impostos)

No entanto, os preços das casas não são utilizados para calcular a inflação. Porque as casas não são algo que se compra regularmente. Entretanto, muito desse dinheiro extra que está a ser impresso, flui para os preços das casas. Isto cria uma enorme divisão entre os que têm e os que não têm. Se possuir uma casa, o seu barco é levantado pela maré. Se não o fizer, então boa sorte a aprender a nadar.

Naturalmente que as gerações mais velhas já possuem uma casa, isto significa que toda a inflação cai sobre a nova geração, que está a ser ludibriada.

Um segundo truque que os bancos centrais adoram usar para esconder os números reais da inflação, é usar produtos tecnológicos que têm preços deflacionados. Veja-se, por exemplo, os televisores e os computadores. Há 20 anos, as TV’s de ecrã plano e os computadores eram novas tecnologias. Eram muito caros de comprar. Um ecrã plano em 2001 poderia facilmente custar Á volta de 1000 euros. Hoje em dia é possível comprar um bom por 300 euros. Um bom computador de jogo em 2005 poderia fazer-lhe gastar 3000 euros. Hoje em dia, um computador de topo de gama é cerca de 1500-2000 euros.

Portanto, é evidente que os bancos centrais adoram usar excepções como a televisão e os computadores para fazer parecer que os preços estão a descer. O petróleo é outro exemplo de algo que é utilizado taticamente, mas que é um pouco mais complexo, por isso não vamos entrar nele.

Passemos ao segundo apanhador de água

Outro lugar onde muita da água/dinheiro está a fluir, são as stocks e as obrigações. Os governos estão a pedir dinheiro emprestado a uma taxa nunca antes vista (excerto em tempos extremos como a Primeira e Segunda Guerra Mundial). As ações são sempre elevadas, embora os fundamentos sejam mais fracos do que têm sido em anos. Mas a água/dinheiro tem de fluir para algum lado e as ações e obrigações são um dos poucos lugares para onde pode fluir facilmente.

Mas mesmo para isso existe um limite. Um limite que estamos a atingir neste momento. Os governos não podem pedir emprestadas quantidades infinitas de dinheiro e as obrigações não podem continuar a subir para sempre, por isso temos um problema. Grandes bancos centrais como os EUA, Reino Unido e da UE estão a bombear oceanos de água. Água que não tem um verdadeiro lugar para onde ir. Então, o que vai acontecer a seguir?

Para ser honesto, ninguém sabe. O palpite mais fácil seria que nos estamos a dirigir para uma situação semelhante à de uma república de Weimar onde se paga 20 mil milhões de euros por um pão de forma, mas é consensualmente improvável que isso irá acontecer. O que se pondera que irá acontecer, em vez disso, é que os bancos e as grandes empresas vão continuar a crescer, enquanto o “homenzinho” se mantém do mesmo tamanho. Por outras palavras, a sua riqueza está a ser roubada debaixo dos seus pés. Eles mantêm o sistema a funcionar, roubando todo o seu dinheiro e dando-o aos bancos demasiado grandes para falharem no topo.

Mas mesmo isso tem os seus limites. Eventualmente, ninguém terá mais água/dinheiro para roubar. Quando isso acontece, a melodia acaba e o jogo das cadeiras termina. Todas as árvores dos grandes bancos virão a cair e levarão consigo tudo o que está no seu caminho.

Segue esta página para mais conteúdo igualmente pertinente e facilmente digerível

https://nielsknk.substack.com/

Partilha este Artigo
5 1 vote
Article Rating
Subscrever
Notifique-me se
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
José Coelho
José Coelho
1 ano atrás

O que há muita gente a oferecer como solução é a federalização da europa, os estados mais ricos assumirem a dívida dos estados mais pobres e haver uma nova negociação de divisão de poderes. Porque a única coisa que obriga o QE neste momento na europa é o nível de endividamento de alguns países, a partir do momento em que a UE conseguir convencer os países endividados que a não têm escolha que uma maior integração poderemos negociar um perdão parcial de dívida e aumentar finalmente taxas de juro. Eu não vejo este processo muito fácil, haverá países que verão nesta divisão europeia uma estratégia para ganharem poder e influência.